A atuação do Centro Internacional de Energias Renováveis (CIBiogás) e do Centro Internacional de Hidroinformática (CIH) estreitam os laços da Itaipu com instituições de peso no mundo e contribuem para o desenvolvimento sustentável no Oeste do Paraná, avaliou o diretor-geral brasileiro da usina, Luiz Fernando Leone Vianna. A avaliação foi feita nesta terça-feira (11), após apresentação do CIBiogás e do CIH para o diretor-geral e superintendentes de Itaipu no Espaço Milton Santos, no Parque Tecnológico Itaipu (PTI).

Juntos, os centros concentram mais de 50 projetos, muitos deles em conexão direta com organismos como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Onudi), entre outros. “Os dois centros se somaram à Itaipu como dois braços importantes para a atuação regional e para o cumprimento da missão de desenvolvimento sustentável da empresa”, afirmou Vianna. “Outro ponto importante é este elo com a ONU [Organização das Nações Unidas]. O CIH, por exemplo, tem papel muito importante na Unesco, com programas voltados à hidroinformática. Isso foi enfatizado pela instituição quando estivemos com seus representantes.”

Em junho, Itaipu e Unesco renovaram, por cinco anos, o memorando de entendimento para cooperação técnica em ciência e água. Entre os compromissos assumidos está a integração do lado paraguaio da usina à rede mundial de biosfera. O encontro dos representantes da binacional e da Unesco ocorreu em Paris, na França. No último dia 6, a Diretoria Executiva de Itaipu também anunciou a criação de um escritório conjunto do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da Organização das Nações Unidas (Undesa) na usina. A Itaipu está alinhada à Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e aos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Além de Vianna e de diretores de ambos os centros, participaram da apresentação o superintendente de Energias Renováveis de Itaipu, Paulo Afonso Schmidt; o chefe da Assessoria de Comunicação Social, David Campos; e o assessor da Diretoria de Coordenação, Antonio Nereu Procopiak Filho.

Cooperação internacional

Desde 2016, o CIH faz parte de uma categoria especial, os centros de nível 2 da Unesco, que projeta as ações desenvolvidas pelo órgão para o cenário mundial. Segundo Wilbur Souza, gerente interino do CIH, os resultados desta projeção já estão sendo colhidos. A pedido da Unesco, o centro está digitalizando 15 mapas das ilhas caribenhas que, antes, só existiam em papel. Outra conexão importante do CIH é com a Agência Espacial Americana, a Nasa, com a qual o centro desenvolve cursos de georreferenciamento.

“Temos pontos a serem aprofundados, mas os projetos que temos aqui no CIBiogás nos colocam no mesmo patamar que vimos na Europa”, disse Paulo Schmidt, que participou de missões técnicas promovidas pela Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) na Alemanha.

Uma conquista recente veio do Fundo Global do Meio Ambiente (Global Environment Facility, GEF, sigla original em inglês). Por meio da interlocução do CIBiogás, o GEF repassará US$ 7,6 milhões (cerca de R$ 24 milhões) para “aplicações de biogás na agroindústria brasileira”.

A iniciativa foi uma das 18 contempladas no planeta e é a única do Brasil, segundo Marcelo Alves de Sousa, gerente do Núcleo de Relações Institucionais e Internacionais do CIBiogás. O projeto, em andamento, tem prazo de conclusão em 2020. O repasse do GEF une o CIBiogás, Itaipu e os ministérios de Minas e Energia e de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações. A articulação com importantes organismos do Brasil também atesta a importância dos centros em território interno e no desenvolvimento da região Oeste do Paraná.

Outro exemplo de interlocução institucional é o projeto “Entre Rios do Oeste”, que está andamento e pretende tornar o município autossuficiente em energia a partir do biogás resultante da cadeia produtiva. A perspectiva é tratar o dejeto de 19 propriedades rurais responsáveis por 40 mil suínos. A ação tem a parceria do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), da Compagás e da Copel, entre outros. Nesta terça-feira, a visita ao projeto fez parte do roteiro de um sobrevoo de Vianna pela região Oeste.

(Assessoria Itaipu Binacional)

(Fotos: Nilton Rolim/ Itaipu)
 

Resumo: 

O diretor-geral brasileiro da usina visitou às instalação do Centro nesta terça-feira (11); encontro estreitou laços entre as instituições